Carta de Natal: Corregedores apontam caminhos para reforçar atuação desses órgãos

O 79º Encontro do Colégio Permanente de Corregedores Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (Encoge) que aconteceu no Hotel Wish, Via Costeira, em Natal, foi encerrado neste sábado (20) com a formatação de uma "Carta" com os objetivos que deverão ser desenvolvidos pelas Corregedorias de justiça de todo o país.

Para ver a íntegra da Carta clique AQUI.

O documento, chamado de Carta de Natal, contém 11 tópicos que foram formulados pelos juízes corregedores. Itens que foram debatidos durante os painéis e palestras abordados.

Dentre os 11 pontos, estudados e acordados na noite da sexta feira (19) pelos corregedores, está o de fomentar estudos voltados a bloqueios judiciais e o desenvolvimento de aplicativos que auxiliem advogados e partes na visualização de seus processos via celular.

A Carta de Natal também traçou a meta de incentivar a utilização do aplicativo WhatsApp, para comunicação entre unidades judiciais e, destas, com as partes e advogados, incluindo a disponibilização de "Smartphones" para esse fim.

A violência doméstica também foi alvo da preocupação dos juízes corregedores, que definiram, na Carta, a fomentação de medidas que orientem o acompanhamento de mulheres vítimas, após deferimento de ações protetivas, por meio da articulação entre o Poder Judiciário e a rede de enfrentamento.

Ainda na manhã do sábado, os juízes corregedores voltaram a discutir a adoção de medidas voltadas ao combate ao crime organizado, que foi um dos painéis abordados.

O tema ainda precisa ser alvo de mais discussões, segundo os participantes, mas os juízes corregedores acrescentaram, na Carta, a sugestão de se criar mecanismos necessários que combatam a atuação do crime organizado.

"Agradecemos a todos os organizadores, aos servidores do Tribunal, aos técnicos, pela dedicação ao evento" destacou a desembargadora Maria Zeneide Bezerra, corregedora geral de justiça do TJRN, ao fazer uma leitura positiva da Carta.

"Viemos aqui trocar experiências e boas práticas, que fazem a diferença pra todo tribunal e estamos felizes com a aprovação do Eu Existo e do GPS-Jus, que nos dá estatísticas fundamentais para o bom funcionamento. "E não são apenas as ideias dos corregedores, mas dos juízes auxiliares que foram vistas e aprovadas", conclui a desembargadora, que fez a coordenação geral do Encontro.
 

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte - Praça 7 de Setembro, S/N, Natal/RN, 59025-300 - (84) 3616-6200